FESTA DO PINHÃO

FESTA DO PINHÃO

SALÃO LÉIA

SALÃO LÉIA

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Arte em casa


A artista plástica Fernanda Flores e sua mãe Berenice trabalham há 05 anos com artesanato.  Especializaram-se em mesa de jantares com  souplats, trilho de mesas, guardanapos e, porta guardanapos. As almofadas e guirlandas também fazem parte do acervo das artistas. Para conhecer melhor o trabalho delicado e de fino gosto entre em contato através dos fones (49) 9177-2568 ou (49) 9103-1307.





















Entrevista com o cirurgião plástico - Dr. Zulmar Accioli

Foto- Elton Damásio

Dr. Zulmar Accioli estudou medicina na UFSC, onde se formou  com destaque em primeiro lugar. Depois fez Cirurgia Plástica por sete anos, destes quatro na França e três no Brasil. Cocluiu mestrado e doutorado em Ciências Médicas em Paris. Atualmente trabalha em clínica própria e é professor de medicina na UFSC. Além de cirurgia plástica, também especializou-se em microcirurgia reconstrutiva. É pertencente ao Conselho de Medicina. Foi Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - Regional SC e atualmente é Presidente do Conselho Consultivo da Regional SC da SBCP além de Ouvidor Nacional da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. 

Em que local se pode fazer uma cirurgia plástica? Parece evidente que a resposta é: em um centro cirúrgico de uma clínica ou de um hospital. Parece lógico, mas nem sempre é assim. Existem profissionais, pouco recomendáveis, é verdade, que efetuam as cirurgias em locais não adequados. Felizmente, na imensa maioria das vezes, esses profissionais não são cirurgiões plásticos, vêm das mais diversas especialidades (são otorrinolaringologistas, oftalmologistas, ginecologistas, dermatologistas, endocrinologistas, clínicos gerais e até dentistas). Eles aproveitam-se das famosas brechas legais brasileiras, causadas em parte pelo excesso de leis – summum jus, summa injuria! – e aventuram-se na especialidade alheia, certamente, para suprir a falta de sucesso ou de capacidade profissional em sua própria especialidade. A cirurgia plástica é como qualquer outra cirurgia, só pode ser realizada em um ambiente onde todas as instalações sejam adequadas e certificadas pelos órgãos competentes. Esses órgãos são: o corpo de bombeiros, a Vigilância Sanitária, o Conselho Regional de Medicina e a prefeitura municipal. Quando o hospital ou a clínica são inspecionados e recebem os respectivos alvarás, o paciente pode estar seguro do ambiente no qual ele será operado. Na dúvida, o paciente deve pedir para ver os certificados. As pessoas não podem esquecer que as instituições não são suficientes para tudo controlar. O maior fiscal é também o maior interessado: o paciente. Quando uma pessoa maior de idade e no pleno gozo de suas funções decisórias, que possua TV a cabo, Internet e telefone celular submete-se por livre vontade a um tratamento cirúrgico em um local temerário, é evidente que ela é parcialmente responsável pelo que lhe suceder de desfavorável. Quase sempre, a motivação é o baixo preço. Nesse momento, a máxima popular costuma ser verdade: o barato sai caro! Mais triste é que, por vezes, o barato torna-se impagável, pois as correções nem sempre são possíveis ou produzem resultados esteticamente favoráveis. Para a montagem e manutenção de uma sala de cirurgia adequada aos procedimentos propostos pela cirurgia plástica não existem milagres nem mágicas, há um custo que é necessariamente mantido pelos valores que os pacientes pagam. No tocante aos médicos, os Conselhos Regionais de Medicina guardam a relação dos cirurgiões habilitados em cada especialidade, mediante o Registro de Qualificação de Especialista (RQE), e a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica tem os dados.

Quais são os objetivos de uma cirurgia plástica? Da mesma forma que ocorre com a questão anterior, não é simples a resposta para essa pergunta. Não bastaria dizer, conclusivamente, que alguém recorre à cirurgia plástica apenas para modificar o corpo para melhor, porque seus objetivos ultrapassam o sentido meramente estético, e envolvem aspectos de ordem psicológica. Assim, pelo que já foi dito na questão precedente, a resposta alcança amplitude bem maior, porque, na verdade, agrega valores subjetivos muito mais complexos em sua dimensão existencial. A modificação do corpo, de modo a corrigir alguma desarmonia ou amenizar traços do envelhecimento visa, como principal resultado, a deixar o paciente feliz consigo mesmo. A meta é elevar a autoestima, no âmbito da individualidade, a qual, quando alcançada, refletir-se-á favoravelmente nas relações com os demais componentes do grupo social. No entanto, a cirurgia, em si, é apenas meio técnico para isso. O profissional deve conscientizar os pacientes de que a cirurgia modifica o corpo, porém, em maior medida, o grande resultado encontra-se no universo íntimo de cada pessoa. Decidir-se pela cirurgia requer conscientização e serenidade. É uma decisão que deve ser pensada e repensada pelo paciente antes de ser tomada. A ansiedade do pré-operatório decorre da incerteza quanto ao que vai acontecer na cirurgia, quanto à expectativa do resultado, quanto à segurança do procedimento operatório e anestésico. Todos esses fatores fazem com que o paciente passe por momentos de estresse no período pré-operatório. Existe certo grau de fadiga durante o desenrolar do procedimento cirúrgico, pois a grande maioria desses procedimentos é realizada sob anestesia peridural ou local, com sedação, e o paciente permanece em semiconsciência. No pós-operatório, mesmo se contando hoje com a enorme evolução das drogas no controle dos fenômenos dolorosos e dos vômitos, pois se utiliza cada vez menos a anestesia geral, sempre há de ocorrer algum mínimo e natural desconforto. Os cuidados com o esforço físico, com os curativos e com os remédios prescritos sempre incomodam o paciente em recuperação. Para que tudo isso aconteça da forma menos desconfortável possível, recomenda-se a todos os pacientes desejosos de se submeter a alguma cirurgia plástica estética que, para se operar, preencham três requisitos:  Saber o que quer. Ter a exata consciência do problema que o incomoda – se o nariz é grande ou mal formado, se as orelhas são de abano, se as mamas são pequenas ou volumosas em excesso etc. Só com uma queixa precisa o cirurgião poderá avaliar e diagnosticar o caso e sugerir o melhor tratamento específico.

A cirurgia plástica tem limites? Apesar dos extraordinários avanços técnicos e científicos, certamente existem limites impostos por condicionamentos variáveis, quer individualizados, quer de recursos disponíveis. Cirurgiões, afinal, não são deuses. Assim, dentre os mais importantes aspectos, estão os naturais limites humanos e os limites materiais. Dentre os limites humanos encontram-se, de um lado, as limitações do cirurgião, mormente quando avaliadas por sua adequada formação médico-cirúrgica, por sua habilidade e por seu senso estético. De outro lado, estão as limitações do paciente, tanto de suas condições de saúde física e reações específicas quanto de seu preparo psicológico e intelectual. As limitações materiais relacionam-se com as condições locais das instalações operatórias e das adequadas acomodações de internação, as drogas a serem administradas e os instrumentos utilizados. Esse conjunto de fatores estabelecerá as balizas para o resultado final de uma cirurgia plástica. Por conseguinte, quanto menos sofisticada for a formação do cirurgião, menos sofisticadas serão as técnicas por ele empregadas, o que terá direta relação com o que dele espera cada paciente. Pode acontecer que o emprego de uma técnica cirúrgica menos apurada, que deixa cicatrizes maiores ou dá resultado menos duradouro, satisfaça um paciente menos exigente. Já pacientes de perfil mais refinado, evidentemente, exigirão as técnicas mais sofisticadas, capazes de reduzir ao máximo as cicatrizes ou mesmo torná-las quase imperceptíveis, e com maior durabilidade. É muito importante que, no momento da consulta pré-operatória, exista perfeita sintonia entre o paciente e o cirurgião. As condições de saúde do paciente, já mencionadas, poderão ser condicionantes limitativos de melhor resultado cirúrgico. Tanto as doenças crônicas (diabetes, insuficiência cardíaca etc.) quanto os hábitos de vida (tabagismo, outras drogas tóxicas etc.) poderão limitar e até mesmo contraindicar um procedimento operatório. Apesar de ter semelhanças com a escultura, a cirurgia plástica tem menos liberdade, porque trabalha com tecidos vivos, que necessitam de vascularização e, por isso, estão sujeitos a infecções e sangramento. No momento da consulta pré-operatória, o cirurgião deverá expor ao paciente todos esses aspectos, e com ele discutir os prós e os contras da cirurgia.

Por que se submeter a uma cirurgia com fins estéticos? Realmente essa é uma questão constantemente discutida no meio leigo e, como outras tantas que envolvem juízo de valor, não apresenta resposta fácil. Tradicionalmente, a cultura popular diz que a vaidade leva mulher e homem a se submeter à cirurgia plástica estética. Como normalmente ocorre nas conclusões simplistas, o referido raciocínio apresenta-se superficial e equivocado, pois tal questão mostra-se muitíssimo mais abrangente. Os mais modernos e aprofundados estudos a respeito dos instintos que impulsionam as pessoas a procurar o que chamamos de beleza mostram que algo semelhante acontece com quase todas as criaturas da natureza. As leoas procuram os leões com a mais imponente juba, os pássaros fêmeas deixam-se seduzir por seus equivalentes masculinos possuidores de plumagem mais exuberante etc. É algo instintivo. Conosco, mesmo em um contexto de sofisticação mais apurada, ocorre fenômeno assemelhado. Os considerados belos atraem-se. É dedutível que, na raiz, existe uma boa razão biológica e evolutiva para isso. A natureza moldou uma forma prática bastante simples e eficaz para que um ser procure outro da mesma espécie, de preferência geneticamente bem aquinhoado, para realizar uma reprodução de boa qualidade. Em regra, quanto melhor for a qualidade genética dos pais, melhor será a do filho. Pelo menos, é essa uma das formas como a seleção se faz, ao natural, a fim de promover a evolução de uma espécie. Para que os indivíduos sejam compelidos a esse comportamento, a natureza impregnou-os, dentre outros estímulos correlatos, de instintos que os fazem achar atraente outro indivíduo bem proporcionado e simétrico. O próprio indivíduo – seu ego – sente enorme prazer quando se observa e também encontra, em si, esses traços capazes de causar boa impressão em outrem e, de modo particular, de atrair o sexo oposto. Por certo, como foi dito, também ocorre a assimilação de fatores culturais, igualmente importantes nesse contexto, que se modificam no tempo e no espaço, isto é, no País ou cidade onde a pessoa mora. Nas cidades com praia, as pessoas se expõem mais, portanto o tipo de cirurgia plástica preferida também se reflete nisso. Em resumo, o importante, quando alguém pensa em se submeter a uma cirurgia plástica, é ter a noção que ela apenas melhora o corpo. A cirurgia, portanto, não faz ninguém ficar lindo, faz ficar melhor, o que já é muita coisa. O mais importante de tudo: a segurança! Cirurgia plástica estética é uma cirurgia que não se arrisca a saúde, só se submete à cirurgia, quando o paciente preenche os requisitos necessários para uma cirurgia eletiva. Por todos esses motivos aqui expostos, a cirurgia plástica deve ser realizada por cirurgião plástico credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica!






Rafael Infante, do “Porta dos Fundos”, apresenta seu solo de humor “InfantaRIA” em Itajaí, Jaraguá do Sul e Blumenau

O espetáculo de humor “InfantaRIA” é inspirado nas situações cotidianas, nas observações culturais e principalmente na habilidade de fazer rir. Rafael Infante atua e assina o texto em parceria com sua esposa, Tatiana Novais. Nesse solo, o ator aborda temas conhecidos, mas sempre com piadas e conclusões diferenciadas. Infante prova que muitas coisas ainda não foram ditas em um show de Stand Up Comedy.


Itajaí, Jaraguá do Sul e Blumenau poderão aproveitar a peça que a cada apresentação proporciona uma experiência diferente ao público, incluindo sempre novas observações, música, improviso e personagens que trazem uma lente de aumento da vida trivial. “É o humor puro e latente. Humor de identificação, um humor que retrata a vida de todos nós” conta.

Na geração da internet, que hoje em dia é a principal divulgadora dos comediantes. Rafael Infante, ator do fenômeno Porta dos Fundos, consegue arrastar um público inteligente, antenado, de raciocínio rápido e exigente, disposto a se divertir não só assistindo aos vídeos do Youtube em casa, mas também vivenciando a experiência e gargalhando ao vivo.

O espetáculo desembarca em solo catarinense direto no Maria’s Itajaí Convention, no dia 28 de agosto, às 20h. No Grande Teatro Scar, em Jaraguá do Sul, dia 29 de agosto, também às 20h. E em Blumenau, no Teatro Carlos Gomes, dia 30 de agosto, às 19h. Os ingressos já estão à venda pelo site: www.ingressonacional.com.br para Itajaí. Em Jaraguá do Sul no www.ticketcenter.com.br. E em Blumenau: www.blueticket.com.br

Sobre Rafael Infante

O ator Rafael Infante, 29 anos, faz muita gente rir com os vídeos e séries do ‘Porta dos Fundos’, canal de humor do YouTube, mas também interpretou o complexo Charlie Babbitt na peça “Rain Man’, que foi dirigida pelo saudoso José Wilker.

Eclético, ele tem se destacado por suas diversas facetas e diz não ter preferência por personagens. ‘Sou ator’, enfatiza. No canal ‘Porta dos Fundos’, Infante já criou moda. Uma frase de seu personagem no vídeo ‘Deus’, vem sendo repetida pelas pessoas nas ruas: ‘Errou feio, errou rude’. A fala, que não estava no roteiro, foi improvisada por ele e deu certo.

Seus mais recentes trabalhos são: “Muita Calma nessa hora 2”, filme de Bruno Mazzeo, “Divã a 2”, filme no qual é protagonista junto com Vanessa Giácomo, “Divertics” programa da TV Globo, onde contracenou com Luís Fernando Guimarães e Leandro Hassun.

Show de Comédia com Rafael Infante em InfantaRIA

Duração: 60 minutos
Classificação: 14 anos
Realização: Única Digital e Agência Reyes Eventos

Itajaí
28 de agosto de 2015
Sexta-feira, 20h
Maria’s Itajaí Convention

Jaraguá do Sul
29 de agosto de 2015
Sábado, 20h
Grande Teatro Scar
www.ticketcenter.com.br

Blumenau
30 de agosto de 2015
Domingo, 19h
Teatro Carlos Gomes

Mais informações:

Assessoria de Imprensa: Única Digital



terça-feira, 28 de julho de 2015

ACCS NO ENCONTRO DE AMIGOS

 Foi no ultimo sábado (25), a Associação Catarinense de Colunistas Sociais (ACCS) esteve presente no Encontro de Amigos de Balneário Camboriú. O espaço, localizado na badalada Avenida Atlântica, reuniu confrades e a comunidade que passava pela festa. Além do chopp, bebida oficial do encontro, o Valen Bar 18+ ofereceu drinks especiais aos convidados, comidinhas da Montibeller Casa di Café, doces do Cheff Jean Albano, produção da Inouï Productions e muita música com Dj’s convidados. A barraca contou ainda com o apoio da Única Digital Assessoria e Mídia, “Na Mídia” Assessoria de Imprensa, Agência “A”, My Home Ambientes Planejados, Construtora Mendes Sibara, Marina Itajaí e Escala Metra Publicidade e Propaganda. 





























Top - Compartilhando nas Redes Sociais

Quem é visto é lembrado

Quem é visto é lembrado

Top - Google+Amigos

Top - Postagens Populares

Top - Reflexão

Aprendi que o tempo cura, que mágoa passa, que decepção não mata, que hoje é reflexo de ontem, que os verdadeiros amigos permanecem e que os falsos, graças a Deus, vão embora. Compreendi que as palavras tem força, que o olhar não mente e que viver é aprender com os erros. Aprendi que tudo depende da vontade, que o melhor é ser nós mesmos e que o segredo da vida, é viver!